Menu

16 – Círculos Dantescos (1-2-3-4-5)

2 de março de 2016 - Fase B
16 – Círculos Dantescos (1-2-3-4-5)

Tema nº. 16  –  Círculos Dantescos (1-2-3-4-5).

b-16

 

No Reino Mineral subterrâneo de toda massa planetária ou solar há os mundos infernos. Isso o podem verificar por si mesmos aqueles que chegaram até determinada etapa de seu trabalho interior. Ali adentram os discípulos com o claro propósito de resgatarem a parte da consciência enfrascada por eus muito profundos. Por outro lado, os condenados, os perversos que terminaram seus ciclos humanóides sem trabalharem sobre si mesmos, ai ingressam inevitavelmente.

Segundo nos conta o V.M. Samael, o que pode também ser corroborado por outros escritores, tal qual Dante Alighieri, o mundo inferior, ou inferno terreno, é composto por NOVE infradimensões. Nestas infradimensões da natureza vão baixando lentamente os condenados por não amarem a Deus, aqueles que não realizaram o trabalho sobre si mesmos, sendo fadados a baixar gradativamente uma a uma das infradimensões, a fim de serem limpos pela natureza de seus pecados. Todo esse processo dura muitos séculos, milênios, dependendo do grau de robustecimento dos eus do condenado. Caso a natureza não tivesse um mecanismo para lipar-se da perversidade, seria o caso de poderem existir sujeitos terríveis e inimaginavelmente perversos circulando pelo universo.

Ao final dessa limpeza forçada acontece aquilo a que damos o nome de Morte Segunda. A Morte Segunda se dá definitivamente no nono e último círculo Dantesco, ocasião em que a alma agora mais uma vez livre dos eus que antes a enfrascavam e entorpeciam, inicia mais um ciclo ascendente através dos reinos mineral, vegetal, animal, porém agora sob os raios solares na epiderme do planeta terra. O ascenso através dos reinos mineral, vegetal e animal segue até a reconquista do direto de se viver mais um ciclo humano de 108 existências, ocasião em que terá uma nova oportunidade de se auto-realizar a fundo.

Tudo seria muito diferente se lutássemos por nós mesmos, para eliminarmos de nossa psique aqui e agora esses elementos indesejáveis, que tanto nos fazem sofrer; que podem ser chamados de agregados psíquicos, o ‘eu da psicologia’; que na verdade é multiplicidade contraditória; ou seja, são eus inumanos bestiais, brigões, o eu quero, o eu odeio, o eu sou assim, etc.

O resultado dos trabalhos conscientes e padecimentos voluntários a base dos TRÊS FATORES DE REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA é: sabedoria, amor e poder. Em suma, é o definitivo religare com o Divinal em nós. Resumindo longíssimos trabalhos, diremos que o eu morre e Deus nasce em nós.

Interessante notar, entretanto, que tudo é feito pelo próprio Íntimo. Ele sempre foi, é e será: – É o próprio Íntimo que faz a sua obra. Ele quem nos anima a buscar o sagrado. Nós apenas devemos cumprir com nossa obrigação de aprendermos a fazer as suas vontades. E isso somente é possível se morrermos em nós mesmos aqui e agora, renascermos em Deus e amarmos a humanidade assim como amamos a Deus.

Religar com Deus, em última análise, é o mesmo que ser Deus, mas sem os erros e as limitações indesejáveis do mim mesmo (sem que exista a separatividade – essa é a autêntica heresia).

Viver em Deus é ter a verdadeira consciência da unidade-multipla perfeita. Não dá pra entender isso com o intelecto. Através das práticas de meditação teremos uma pequena ideia do que é vivermos mortos em Deus Vivo. Portanto: – Meditai. Morrei. Nascei. Sacrificai-vos pela humanidade doente. Amai.

Aqueles que não sabem amar a seu Pai Interno são condenados a viverem no inferno. É o mundo que lhes agrada. É o mundo dos egos… dos adoradores dos egos… Desmistificando, os mundos infernos nada mais são do que o mundo das consequências desastrosas da ação egóica. Mundo de fantasias; ilusões; sofrimentos; dor etc.

O Primeiro Círculo Dantesco, ou Esfera Submersa da Lua, é o Limbo, descrito por muitas religiões; ou Mundo Sublunar. Esta Ante-Sala do Inferno é representada por todas as cavernas do mundo unidas astralmente.

Ali habitam os meninos inocentes, aqueles que morreram sem haver recebido as águas do batismo, ou seja, aqueles que não lograram trabalhar com a Magia Sexual.

Lembremos aqui que aqueles que criaram o corpo astral solar, podem negociar diretamente com a Lei Divina, a fim de escolherem dia, hora e local de renascimento, com o intuito de continuarem as suas Obras sobre si mesmos e pela humanidade doente. Este tipo de pessoas estão despertas na quinta dimensão e somente descem ao Limbo se quiserem.

Os demais, adormecidos, são enviados ao Limbo entre um retorno e outro. Estes são os mencinoados “meninos inocentes“, aqueles que não foram batizados. São pessoas que não trabalharam sobre si mesmas e continuam com a consciência adormecida.

ESTREITA É A PORTA E DIFÍCIL O CAMINHO QUE CONDUZ À LUZ E MUITO POUCOS SÃO OS QUE A ENCONTRAM.”

Portanto, aqui no Primeiro Círculo Dantesco veremos os defuntos que aguardam um novo retorno. São sombras frias, sem consciência, vagando; se ocupando em geral das mesmas tarefas da vida passada. Ali mecanicamente sonham com o passado, projetando imagens ao redor de si, tal qual fazem os adormecidos durante o sono comum e corrente.

No Limbo os múltiplos eus tomam suas formas idealizadas e, então, podemos ver os defuntos naquelas regiões como bestas, monstros em sucessivas formas, combinando com o eu que no momento toma a máquina de assalto.

É interessante elucidar que sem a unidade obrigatória do corpo físico, bem como na ausência da personalidade que fora criada para ser usada na vida deixada para trás e que também é descartada, tudo ali é multiplicidade, de maneira que é impossível às consciências não dispertas conseguirem se organizar para produzirem algo. Isso não quer dizer que hoje, psicologicamente falando, não sejamos a mais completa multiplicidade interior. Basta nos auto-observarmos para nos darmos conta disto. Por outro lado, é justamente devido a esta aparente unidade que a natureza nos proporciona ao nascermos em um corpo físico, que é possível iniciar um trabalho sério sobre nós mesmos.

No Limbos impera a mecanicidade, a materialidade o tédio, etc. Ele é regido por 96 leis, o dobro das leis que regem o mundo físico.

Lá encontramos a primeira contraparte submersa das cidades, ruas etc. do mundo físico – criações oníricas projetadas por seus habitantes…

Lê-se na memorável obra “Sim há inferno, Sim há Diabo, Sim há Carma” do V. M. Samael Aun Weor, indispensável leitura para o completo entendimento do tema:

Aqueles que habitam o Limbo devem recapitular a vida que acabam de passar, revivê-la lentamente. Concluído tal processo retrospectivo, todos os atos da vida anterior ficam simplesmente reduzidos a matemática. Então, os Juízes do Carma nos fazem retornar a este vale de lágrimas, com o propósito de que emendemos nossos erros e busquemos o caminho que há de levar-nos à liberação final. Isso é tudo!”

O Segundo Círculo Dantesco, ou de Mercúrio, região de forças passionais negativas, é envolvida por certo elemento aéreo fatal. Refleti vós sobre isso…

Essa é a infradimensão dos fornicários, daqueles que se deixaram levar pelo vício de derramar o sêmen. Ali são todos escravos deste terrível vício e coabitam e sofrem incessantemente pelo desejo e pelas consequências do derrame.

Sabei que após todo prazer vem a dor. Sabei que todo equívoco traz consequências negativas para nós e para os demais. Essas regiões abismais são apenas as conseqüências fatais de nossos erros.

Os demônios que habitam nessas infradimensões, blasfemam contra tudo que tenha sabor de castidade, de santidade, de espiritualidade.

Essa é a região dos anjos caídos.

Região onde o entendimento humano não trabalha; mundo dos instintos brutais onde a lascívia se mescla com o ímpeto da violência.” ( do livro “Sim há inferno, Sim há Diabo, Sim há Carma” de V. M. Samael Aun Weor)

Os tântricos negros que desenvolveram o abominável órgão Kundatiguados, a cauda de Satã, habitam nestas infradimensões.

Na esfera submersa de Mercúrio habitam milhões de humanas criaturas com o abominável órgão kundartiguador (Fohat Invertido) totalmente desenvolvido.” (as pessoas ali despertaram no mal e para o mal)

O Segundo Círculo Dantesco, ou Esfera Submersa de Mercúrio (leva o nome deste planeta, devido a certa correlação inversa às qualidades dele) é regido por 192 Leis. Isto é: maior mecanicidade; maior sofrimento; tempo muito mais lento; etc.

Devemos esclarecer aqui que os eus em conjunto vão baixando infradimensão por infradimensão, passando pelas nove. Sendo que em cada um dos Círculos a Essência vai se conscientizando da existência de certos eus, correspondentes com a infradimensão. Trata-se de um processo lento e muito doloroso. Inteiramente mecânico e contra as vontades do eu, que não quer morrer nunca.

Esclarecemos também que o homem possui 49 regiões subconscientes. Sendo assim, somente poderia ser considerado casto, por exemplo, alguém que estivesse limpo do eu da luxúria em todas essas regiões subconscientes. Daí o caso de muitos que se consideravam santos também serem encontrados nestas infradimensões infernais.

Ao findar o ciclo das 108 existências que são dadas a todos os humanóides antes de adentrarem aos mundos infernos definitivamente, caso não tenham iniciado um trabalho sério com o claro e único intento de sair da Roda de Sansara, ou seja, sem eliminarem de suas psiques todos esses elementos indesejáveis que caracterizam o mim mesmo, essas almas terão que inevitavelmente passar por todas as zonas infradimensionais uma a uma, padecendo por maior tempo naquelas regiões cujos defeitos mais lhes caracterizam.

No Terceiro Círculo Dantesco, ou de Vênus, região muito mais grosseira que as anteriores, cada átomo de matéria contém 288 átomos do Absoluto.

Sendo esse região infradimensional governada por 288 Leis, aqui impera a extrema complicação, dificuldade, sofrimento, dor…

Este é o mundo das orgias, das bebedeiras, dos banquetes, dos bacanais, dos cabarés, dos prostíbulos, etc…

”…de toda essa imundície, o único que resulta são as lágrimas, simbolizadas pela chuva dessa horrível região. Por essas águas pestilentas da amargura e pelo lodo horroroso da miséria…”

Ali, Cérbero, o cachorro infernal de três cabeças ladra sem parar. Ou seja, o desejo constante devora por dentro os seus cativos, tornando-os instintivos, violentos, lucíféricos fora de controle, sofredores contumazes.

A fornicação é o pecado original e assim sendo este é o embasamento das ondas involucionantes através dos mundos infernos sob a crosta terrestre. Em cada zona ou círculo infernal, ressalta, não obstante, outros defeitos psicológicos.

Já falamos em algum lugar deste curso a respeito da relação entre prazer e dor. Dissemos ali que não há prazer mundano que não traga como conseqüência uma dor. E, que por outro lado, o próprio desejo, que é uma criação de cada um de nós, também é uma dor, a dor da ausência. Temos que esclarecer que de fato quanto maior dor, maior prazer se sentirá ao se satisfazer tal desejo, sendo que a somatória de um item com valor negativo e outro com valor positivo, neste caso sempre dará zero. Quem deseja, definitivamente, não se sente completo. Porém, para piorar, o ser humano munido do dom de criar, mal utilizando este dom, cria ilusões e acaba por sofrer pela falta daquilo que não necessita, ou seja, deseja fantasias e concupiscências e sofre por elas. Portanto, para que se esclareça definitivamente esta questão, o resultado da Grande Obra de Auto-realização Íntima do Ser é o estado de PLENITUDE TOTAL E PERENE.

Passemos agora, ao Quarto Círculo Dantesco, ou Esfera Submersa do Sol.

Em seu aspecto positivo o Astro Central do nosso sistema Solar é o regente da Lei do eterno Trogo-Auto-Egocrático-Cósmico-Comum. Essa Lei nada mais é do que a alimentação recíproca entre todos os seres. É interessante observar que sem o equilíbrio adequado, sem a fluidez necessária não seria possível a consumação desta Lei Cósmica, fundamental para a existência de todos os seres.

Entre os seres humanos essa Lei é representada hoje em dia pelo fluxo de capital, pelo Sistema Econômico.

Bem sabemos que a ganância pode danar o Planeta Terra; que a cobiça pode transformar a pessoa em ladrão; que o excessivo dispêndio e acúmulo despropositado provoca a desigualdade social e a injustiça. Ou seja, declaramos aqui que aqueles egos que agiram como desequilibradores do sistema econômico ressaltam no quarto círculo Dantesco.

Assim, no quarto círculo dantesco encontramos os avaros e os esbanjadores. Ali eles se chocam constantemente, pois são inconciliáveis.

O final – o resultado – de todo avaro e de todo esbanjador é a miséria absoluta e ali assim vivem. Isso, não obstante, podemos muitas vezes observar aqui mesmo no mundo físico tridimensional.

Naquela região infradimensional submersa essas almas blasfemam contra a divindade, maldizem, desesperam-se…

Essa Zona é regida por 384 Leis. É uma região muito densa, pesada, grosseira, entediante, etc…

no Quarto Círculo Dantesco as águas são negras e o elemento fundamental é o mineral”

Ali encontramos os jogadores, aproveitadores, os místicos que cobiçam bens alheios, etc., etc., etc.

Dante, ao se referir a esta infradimensão da natureza, descreve almas carregando morro acima enormes pedras, porém a caminhada nunca se conclui, pois a pedra sempre rola ribanceira abaixo, fazendo com que o carregador reinicie a tragetória mecanicamente.

Sofrimento, dor, miséria são os resultados fatídicos de nossos mal hábitos.

No Quinto Círculo Dantesco, ou Esfera Submersa de Marte, ressaltam os iracundos furiosos, os soberbos, os altaneiros, os orgulhosos, os irônicos, assassinos, malvados, etc.

Não por acaso, que quando estamos com raiva, subconscientemente sabemos que devemos mandar o objeto da nossa raiva para o quinto dos infernos.

Ali, na quinta região abismal, os nossos próprios egos nos perseguem. Ira perseguindo o Medo. Ego perseguindo ego de uma mesma pessoa! Horror! Pânico de um lado; do outro lado ira, astúcia:

É assim como a Consciência dos defuntos, na 5ª Infradimensão do Planeta Terra, vem a conhecer suas próprias maldades, seus próprios horrores, suas insólitas violências, a ira nefasta…”

O triste desta história, é que mesmo depois de conhecerem seus horrores, os decididamente perversos não se arrependem; não louvam a Deus e blasfemam…

Esclarecemos que tudo nos mundos infernos são criações metais. Tudo ilusão aparentando verdade, devido aos poderes, já nestas profundidades do inferno bem desenvolvidas, do órgão das abominações: a cauda de Satã. Lembremos que a cauda de Satã tem um poder hipnótico tremendo e é a origem da grau de realismo vivenciado pelos drogados em suas alucinações.

Ali os condenados sabem que terão que desintegar-se vivos a si mesmos, que serão devorados vivos pela Serpente Tentadora do Éden, a mesma cauda de Satã. E a isso perseguem. Adoram o demônio com louvor. Odeiam ao Cristo e à Verdade. Qualquer tipo de honra, amor, castidade, santidade, virtudes é rechaçado ferozmente. A virtude é abominada. Deus é o Demônio e Demônio é Deus ali. Para os perdidos as trevas é o bom e, por sua vez, o bem, mal.

Cada átomo da 5ª Infradimensão possui 480 átomos do Sagrado Sol Absoluto. Região de extrema densidade, complicação, dor, horror, sofrimentos indizíveis, etc.

PAZ INVERENCIAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.