Menu

43 – A Dança dos Derviches e a Transmutação das Forças Cósmicas

31 de janeiro de 2016 - Fase A

Tema nº. 43  –   A Dança dos Derviches e a Transmutação das Forças Cósmicas.

 

A PRÁTICA DA DANÇA DOS DERVICHES

 

Os Derviches eram um povo de origem persa. Eles são conhecidos como os ‘Os Derviches Dançantes’.

O objetivo desta dança dos Derviches aqui apresentada é o de aquietar a mente.

A técnica consiste em três movimentos simultâneos. Isso faz com que a mente não tenha espaço para devanear. Porém, com a prerrogativa de os realizarmos de maneira concentrada, empunhando docemente a vontade com o coração tranqüilo.

43-1

A cabeça a deslocamos de um lado para o outro. Os braços são lançados estendidos para frente, até que as mãos se choquem na altura do peito. As pernas se movimentam como se trotássemos, sem sair do lugar.

Essa prática a devemos utilizar quando a mente estiver acelerada demais, ou mesmo, devemos utilizá-la, antes de qualquer prática, pois não se deve iniciar uma prática de qualquer jeito, sem primeiro aquietarmos a mente.

 

A PRÁTICA DA TRANSMUTAÇÃO DAS FORÇAS CÓSMICAS

 

Transmutação é o mesmo que transformação. Assim, o que fazemos nesta prática é transformar as energias do Cosmos, principalmente as que vêm do Sol, em energias terrestres. E vice-versa.

Isso normalmente ocorre, quando andamos descalços, sem que quase ninguém se dê conta. Os animais transmutam essas energias constantemente. E é muito importante para o equilíbrio do Cosmos que essas forças sejam transmutadas.

Porém, Quando a fazemos de maneira consciente, a qualidade dessa energia transmutada é muito melhor, o que ajuda em demasia tanto a Mãe Terra como o Cosmos. Deste modo, os discípulos que realizam esta prática são considerados pela Fraternidade Branca como pessoas que se sacrificam pela humanidade.

43-2

43-3

A Transmutação das forças Cósmicas é realizada desta maneira: imaginamos que um fio de luz vindo do Cosmo, principalmente do Sol, entra pelo topo de nossa cabeça, precisamente na localização da glândula pineal, bem como pelas palmas das mãos, que devem estar voltadas para cima, conforme o desenho; em seguida essa luz vai preenchendo todas as partes do nosso corpo, que se ilumina completamente, vindo a sair pelas plantas dos pés, que devem estar postados na terra, sem isolamentos, tais quais sapatos ou tapetes de borracha, adentrando a Terra. Lembremos que imaginar é ver. Devemos, inclusive, nos dar conta da própria energia, ou seja, devemos nos esforças para percebê-la passando pelo nosso corpo.

Realizamos a transmutação em um sentido, depois em outro. Ou seja, da Terra para o Cosmos e depois do Cosmos para a Terra.

Temos que repetir: a concentração é indispensável para qualquer prática.

O objetivo desta prática é o de dar alegria para o trabalho interior e forças para a continuidade de propósitos.

 

RECAPITULANDO:

 

– a Dança dos Derviches é realizada para aquietar a mente;

– a Dança dos Derviches deve ser realizada antes de qualquer outra prática e/ou quando a mente estiver acelerada;

– a Transmutação das forças cósmicas é um Sacrifício feito à Humanidade;

– a Transmutação das forças cósmicas é feita em um sentido, depois em outro;

– a Transmutação das forças cósmicas nos traz alegria e forças para o trabalho interior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.