Menu

Ioga Esotérica

28 de março de 2016 - Temas Especiais
Ioga Esotérica

IOGA ESOTÉRICA

 

É necessário saber que no corpo humano existem alguns Chacras específicos, especiais, ligados à vitalidade orgânica. São como vórtices pelos quais entra o Prana, a vida, em nosso corpo.

O primeiro está localizado no alto da cabeça, o Occipital;

O segundo, na testa, o Frontal;

O terceiro é o chacra Laríngeo, localizado na garganta;

O quarto é o Hepático;

O quinto é o Prostático (ou uterino, na mulher);

E, os dois últimos, encontram-se nos joelhos, totalizando sete chacras.

Esses chacras são os sete básicos, responsáveis pela vitalidade do corpo humano, pelos quais entra o prana, a vida, em nosso corpo vital, que é o assento de todas as atividades orgânicas do corpo físico. O chacra laríngeo, por exemplo, está intimamente ligado ao prostático; por isso, devemos ter cuidado com a voz, com a palavra. Devemos evitar sempre os sons chiantes ou muito baixos. Quando a gente observa o comportamento das pessoas senis, decrépitas, percebemos, claramente, que elas emitem muitos sons chiantes. Isso falseia a potência sexual ou pode indicar impotência. O mesmo acontece com os sons muito graves, cavernosos, que, também, enfraquecem a potência sexual. A voz do homem sempre deve manter-se dentro do normal, assim como a voz da mulher. Nunca devemos emitir sons demasiado baixos ou chiantes porque, com isso, falseia nossa própria potência sexual, devido à íntima relação que existe entre a laringe e o centro sexual. Muitos poderão argumentar que a mulher não tem próstata. De fato, não tem; no entanto, ela possui seu Chacra Prostático que se relaciona com o útero. Esse chacra desempenha um papel importante na mulher, tanto quanto o chacra prostático no homem. Esse chacra na mulher poderíamos chamá-lo de Uterino. Sabemos bem da importância do útero na mulher.

Sabemos todos que um corpo doente não serve para nada, não resiste ao trabalho físico e espiritual. Portanto, o primeiro passo é curar o corpo e mantê-lo saudável durante toda a vida, em boas condições, porque o que fazemos com um corpo enfermo? Um esoterista, um Iniciado jamais deve estar doente. As doenças e os problemas que atormentam são para as pessoas que não seguem o Real Caminho. Aqueles que estão na Senda não devem estar doentes nem se tornarem decrépitos. Existem exercícios esotéricos muito importantes para se obter saúde. Fala-se muito sobre Kundalini-Yoga, por exemplo; sobre o Viparita Karani Mudra; sobre os Derviches Dançantes e seus torvelinhos magnéticos. Sabemos que existem Derviches que realizam danças maravilhosas no Paquistão, na Índia, no Oriente, através das quais despertam certos poderes latentes, desenvolvem determinados chakras. Tudo isso é de extrema importância. Se alguém quer possuir um corpo jovem, bem conservado, ou quer desenvolver seus chakras, precisa conhecer e praticar esses exercícios maravilhosos.

Os jovens não sabem apreciar a juventude porque ainda são jovens. Mas, os velhos, esses sim, sabem dar valor à juventude e apreciam essa riqueza fabulosa. Com os exercícios que apresentamos aqui nesta obra, os velhos podem recuperar sua força e sua juventude, e, os jovens, podem manter-se jovens. Com os exercícios aqui apresentados todo mundo poderá curar seu corpo e suas doenças. Veremos aqui posições como a Mayurasana, de joelhos, a postura da mesa que se vê em algumas ruínas antigas e muitas outras práticas. Trata-se, de fato, de uma síntese de exercícios esotéricos, com ampla documentação na Índia, na Pérsia, Paquistão, Turquia, Yucatan-México, etc. Existem, por aí, publicações que falam sobre esse tema, mas que não chegam a ensinar a fórmula amplamente equilibrada que se necessita para realizar esses exercícios. Alguém, certa ocasião, me enviou da Costa Rica uma publicação que continha esses exercícios. Esses exercícios não são propriedade de ninguém. Existem, inclusive, algumas Lamaserias nos Himalaias e em outros lugares onde eles são amplamente difundidos, sobretudo em uma Lamaseria chamada Manancial da Juventude. No entanto, não encontrei naquela revista a documentação completa daqueles exercícios que praticara na citada Lamaseria. Encontrei tão só algumas informações, recolhidas dessa mesma Lamaseria que, por sinal, conheço muito bem, como também conheço outras escolas que existem no Indostão.

É só se dar ao trabalho de viajar um pouquinho pela Turquia, Pérsia (Irã), Paquistão e outros lugares que se encontrará Derviches dançantes ou criadores de torvelinhos magnéticos. É preciso meditar um pouco sobre o significado de estar de joelhos, por exemplo. Inconscientemente, a gente, quando criança, pratica certos exercícios. De todo modo, vi nessa publicação um relato muito interessante, que agora vou retransmitir para que tenhamos uma ideia exata e completa sobre os debefícios que se recebem com estes exercícios que vou ensinar-lhes. A revista relata o caso de um coronel inglês aposentado. Feito este curto preâmbulo, vamos à história que ilustrará bem a importância destes exercícios. Consta que vivia na Índia um coronel inglês, já aposentado do serviço militar. Era um homem de uns 70 anos. Esse coronel ouviu falar da existência de uma Lamaseria no Tibet, onde as pessoas recuperavam a sua juventude, chegavam velhas e saíam jovens, através de alguns procedimentos específicos. O coronel tentou convencer um amigo jovem a ir junto com ele, em busca da juventude perdida, mas esse amigo disse que por ser jovem não precisava disso. E ainda ria das intenções do velho coronel, que queria recuperar sua juventude a todo ânimo.

No dia da partida, o jovem deu boas risadas, vendo aquela figura senil, de cabeça calva, ostentando uns poucos fios de cabelo branco e portando uma bengala, de partida rumo aos Himalaias em busca da juventude. — Que interessante este pobre velho! Pensava o jovem amigo, para si. — Já viveu sua vida e agora quer tornar a viver novamente… Quatro meses depois chega uma carta para o jovem amigo do Coronel, na qual informava que havia achado o endereço da Lamaseria do Manancial da Juventude. Isso causou-lhe riso. O certo é que quatro anos depois aconteceu algoque já não era motivo de riso. Certo dia alguém bateu à porta do jovem amigo do coronel. Ele mesmo foi saber de quem se tratava.

— Em que posso ajudá-lo, perguntou ao visitante à porta, que parecia ter uns 35-40 anos. — Sou o coronel …

— Ah, sim! Você deve ser o filho do coronel … que há uns tempos atrás partiu para os Himalaias?

— Não, eu sou o próprio coronel …, disse o visitante!

— Não acredito! Eu conheço muito bem o coronel … É meu amigo, e se trata de uma pessoa bastante idosa e o senhor não é velho.

— Repito! Eu sou o coronel que te escreveu uma carta quatro meses após minha partida, comunicando-te que havia descoberto o local da tal Lamaseria. Ato seguido o coronel mostrou ao seu jovem amigo seus documentos pessoais. Claro que o jovem não conseguia esconder sua surpresa com o que via com seus próprios olhos, diante de sua porta.

O mais curioso é que esse coronel, lá nos Himalaias, encontrou muitos outros jovens, dos quais se fez amigo. Todos aparentavam 30, 35 e 40 anos. O mais velho era ele próprio. Mais tarde acabou descobrindo que todos esses “jovens” tinham mais de 100 anos, isto é, todos eram mais velhos do que ele, porém, nenhum tinha aparência de velho. Claro, o Coronel ficou assombrado. Submeteu-se à disciplina esotérica da Lamaseria e conseguiu reconquistar a juventude. Até aqui o relato que vi na citada revista da Costa Rica. Porém, é importante que vocês saibam que eu conheço pessoalmente essa Lamaseria. Já estive ali, em tempos passados. Existe ali um grande edifício, com imensos pátios, onde, separadamente, trabalham homens e mulheres. Não existem ali só mulheres tibetanas, mas também inglesas, francesas, alemãs e de outros países europeus. Conheço todos os exercícios que eles ensinam ali desde os antigos tempos. As danças e seus torvelinhos aprendi com os derviches dançantes, e constituem um estudo mais avançado e reservado dos maometanos; a posição de joelhos faz parte da mística esotérica; quanto à postura da mesa, esta se encontra em Yucatán. Já sobre a posição que alguns denominam de “lagartixa”, que é um exercício formidável para se reduzir a barriga, está presente na Índia, como parte do Kundalini-Yoga, conhecida como Mayurasana. Sobre a posição de pernas para cima, conhecida como Viparita Karani Mudra,  existem muitas referências em textos sagrados.

Como disse anteriormente, estes exercícios não são propriedade de ninguém. Muita coisa sobre esse tema tem sido publicada. Mas poucos conhecem, realmente, a parte esotérica. Eu conheço muito bem a parte esotérica, não só porque vi esses exercícios na citada revistas, mas porque eu já pratiquei esses exercícios de forma muito intensa quando vivia na Lemúria, numa antiga existência. Agora vou ensinar a parte prática, que consiste de seis ritos. Não se trata apenas de exercícios físicos. Os Lamas que trabalham na Lamaseria do Manancial da Juventude praticam esses ritos diariamente sobre sua almofada ou tapete, um pequeno carpete sobre o qual se pode fazer os exercícios, ajoelham-se, deitam-se etc. Para cada Sadhana ou postura corresponde a uma meditação, a uma oração, quer dizer, a cada troca de posição, uma intensificação dos aspectos místicos. A Divina Mãe Kundalini é o ponto central de toda Sadhana. Durante todo o trabalho, em cada postura, deve-se buscar a perfeita concentração, e oração profunda, suplicando, rogando à Divina Mãe por sua mais premente necessidade. Por meio Dela podemos pedir. Ela intercede, pede para nós e suplica para nós. Ela tem grande poder.

Suplicamos à nossa Divina Mãe para que ela interceda junto ao Terceiro Logos, que ela peça ao Terceiro Logos a cura do nosso corpo, dos nossos órgãos internos, pelo despertar da nossa Consciência, pela abertura deste ou daquele centro magnético (chakra), etc.. Cada posição é diferente. Cada posição significa uma nova invocação, um novo pedido, um aumento de nossa concentração. Nestas práticas de meditação, concentração e súplica, cada um pode pedir à sua Mãe Divina para que ela invoque a seu Divino Esposo, o Terceiro Logos, o Sacratíssimo Espírito Santo. Terceiro Logos. Bem sabemos que o Terceiro Logos é o Divino Esposo da Divina Mãe. Repito: é preciso rogar, pedir e suplicar intensamente à Divina Mãe para que Ela peça por nós ao divino Espírito Santo para nos curar de qualquer enfermidade, para que nos alente ou elimine nossos mais terríveis eus psicológicos. Ela, então, concentrar-se-á no Logos, seu esposo, o ArquiHierofante ou Arquimago, o Regenerador, como se diz, para que nos cure, nos dê saúde, nos regenere, para que possamos seguir em frente. É neste momento que a gente deve se identificar profundamente com o Logos, com o próprio Espírito Santo e, em forma profunda e poderosa, devemos ordenar ao órgão ou do corpo doente que TRABALHE, que SE CURE; TRABALHE, TRABALHE, TRABALHE; SE CURE, SE CURE, SE CURE. É preciso ter muita fé, muita confiança, muita energia, coragem e determinação ao se dirigir ao órgão enfermo e ORDENAR que ele TRABALHE, SE REGENERE, SE CURE, etc. Com verdadeira fé, com energia, com coragem, falaremos a esse órgão, pois, terá de sarar forçosamente.

É preciso concentrar-se intensamente sobre cada célula, cada átomo, cada molécula, cada elétron do órgão doente, ordenando que trabalhe, que se cure, se regenere. É assim, concentrados profundamente no Logos, identificados plenamente com o Espírito Santo, que neste momento está operando a cura do órgão enfermo, recuperando-o plenamente. Assim, esse órgão curar-se-á, isso é óbvio. Portanto, é importante que cada qual aprenda a se curar por si próprio mediante a força do Espírito Santo. Mediante a força e o poder do Espírito Santo a gente mesmo pode vir a se curar de qualquer doença ou enfermidade. Doença é uma coisa muito triste, doída. Quem anda pela Senda, como disse, não deve permanecer doente.

Com os exercícios dados aqui podemos desenvolver os chakras e, de quebra, curar nosso corpo. Existem chakras muito importantes. Por exemplo, o do alto da cabeça, o Occipital, é uma porta por onde entram forças para dentro do nosso corpo. O Frontal é outra porta de entrada para as forças vitais, ao se desenvolverem. O Laríngeo, como disse antes, possui uma íntima ligação com o centro Prostático. Ambos, tanto no homem quanto na mulher, o Uterino, são de enorme importância para a saúde do corpo. O centro do fígado também é muito importante. Como todo mundo sabe, o fígado é um verdadeiro laboratório. É preciso trabalhar-se este chakra para que o fígado possa operar bem. Quando o fígado está bom, todo o corpo está bem. Além disso, existem os dois chakras dos joelhos — um em cada perna. Estes vórtices de forças devem girar intensamente para que a vida, o Prana, entre no corpo físico.

Manancial da Juventude

 

Exercícios da Lamaseria

YOGA-ESOTERICA

PRIMEIRO EXERCÍCIO

 

A Dança dos Derviches:

De pé, braços abertos em forma de cruz, gire da esquerda para a direita (sentido horário, visto de cima). 12 voltas é o suficiente. É claro que os chacras também girarão ao realizar o exercício com alguma intensidade, e depois de um tempo de prática. Imaginamos que estamos parados no centro de um relógio e depois giramos no sentido das agulhas do relógio, até fazermos doze voltas. No começo, pode acontecer de algumas pessoas não conseguirem dar as 12 voltas. Far-se-á com os olhos abertos e ao acabar de girarmos, dechamoremos os olhos para não cairmos devido à tontura, que é consequência das voltas.

Permaneceremos com os olhos fechados até que tenha passado a tontura, entretanto, continuaremos suplicando, rogando a Mãe Divina que suplique e rogue a seu Divino Esposo, conceder para nós a cura de tal órgão doente. O discípulo estará plenamente identificado com o Logos e suplicando intensamente à Mãe Divia para que ela interceda ante o Logos.

Ao girar-se da esquerda para a direita o corpo cria-se um torvelinho eletromagnético no ambiente circundante que, por indução, põe os chakras do corpo vital a girar mais fortemente. É muito importante que se gire no sentido horário porque, dessa forma, os chakras também se desenvolverão positivamente. Os médiuns são pessoas que tem seus chakras desenvolvidos negativamente, e nós não somos médiuns nem praticamos a mediunidade. Nós queremos desenvolver de forma positiva nossos centros e nossos chakras. É também muito importante a gente abrir o órgão que vai receber a Cura do Espírito Santo. Isso é feito dizendo-se ou órgão: “Abre-te, Sésamo! Abre-te, Sésamo! Abre-te, Sésamo!” (três vezes, portanto). Algumas pessoas poderão achar estranhas essas palavras. Mas é preciso saber que se trata de um mantra muito poderoso, que figura nas Mil e Uma Noites. Sempre devemos nos dirigir ao órgão enfermo, ordenando que ele se abra para receber a força vital curativa do Espírito Santo, imaginando que essa foca penetra ali. Com isso o órgão é claro que se sara e se cura com a força do Espírito Santo. Porém, há que se fazer com muita fé.

 

SEGUNDO EXERCÍCIO

 

A Cruz:

Terminadas as voltas e passada a tontura, você deve se deitar em decúbito dorsal, com os braços abertos em cruz e pés juntos. Nessa posição, deves intensificar a concentração e a meditação na Mãe Divina, rogando-lhe e suplicando-lhe que cure ou regenere o órgão doente que se queira curar. Aqueles que não precisam curar-se de nenhuma doença ou mal podem pedir por outra necessidade, como, por exemplo, a eliminação de um defeito psicológico etc. É preciso que a gente se identifique totalmente com o Terceiro Logos.

 

TERCEIRO EXERCÍCIO

 

Viparita Karany Mudra:

Da postura em que você se encontra, levante as pernas verticalmente, até formar um ângulo de 90 graus com o corpo. Use as mãos para ajudar a sustentar as pernas para o alto, segurando-as pela parte posterior dos joelhos. Não é preciso levantar as nádegas do chão. Na verdade, as costas devem estar firmemente apoiadas no solo. Essa posição é o que se chama, no Oriente, de Viparita Karany Mudra. Nessa postura o sangue flui para a cabeça, trabalhando algumas regiões específicas do cérebro que fortificarão os sentidos. Ficamos nessa posição por alguns instantes, enquanto que se intensifica os rogos à Mãe Divina Kundalini para que Ela nos ajude a alcançar, com seu Esposo Divino Espírito Santo, o benefício que precisamos.

É claro que vamos nos acostumando a estes exercícios com muita paciência, lentamente, até chegar o dia em que os façamos com facilidade.

 

QUARTO EXERCÍCIO

 

Pranayama de joelhos:

Adote a postura de joelhos, voltado para o Oriente, onde nasce o Sol. Incline levemente a cabeça para baixo. Não muito, só um pouco. Em seguida deves fazer três pranayamas completos, assim:

  1. Com o dedo indicador da mão direita deves fechar a narina esquerda para que possas inalar o ar somente pela narina direita, até encher os pulmões.
  2. Feche agora também a narina direita, usando o polegar, mantendo, assim, as duas narinas tampadas. Retenha o ar por alguns momentos.
  3. Abra agora o polegar direito, liberando a narina direita e comece a exalar o ar lentamente somente por essa narina.
  4. Esvaziados os pulmões, comece a inalar agora somente por essa narina direita, lentamente. Quando os pulmões estiverem cheios, feche ambas as narinas.
  5. Retenha o ar nos pulmões por alguns segundos.

Estes cinco pontos formam um pranayama completo. Deves fazer três desses pranayamas completos, ao todo. Lembre-se que só se deve usar os dois dedos da mão direita: polegar e indicador.

 

QUINTO EXERCÍCIO

 

Inclinado de joelhos:

Da posição de joelhos passa-se para a postura seguinte, inclinando o corpo para trás. Os braços permanecem ao longo do corpo, mais propriamente colados ao longo do corpo. Incline-se bem para trás, até onde pudermos aguentar. Assim permanecemos alguns segundos, rogando, suplicando e implorando à Bendita Mãe Kundalini para que interceda por nós junto ao Espírito Santo a fim de que Ele nos conceda a cura ou a graça necessitada. Este exercício é mais curto que os outros, porque exige muito esforço. Porém, é muito bom para dar agilidade ao corpo e para queimar algumas toxinas. O importante é que o realizemos da melhor maneira que pudermos.

 

SEXTO EXERCÍCIO

 

Sentado apoiado nas mãos:

Lembre-se sempre que em cada exercício é preciso rogar e suplicar intensamente à Divina Mãe. Se necessário, até chorar para que Ela chame o Terceiro Logos e venha curar os órgãos enfermos, o corpo. Lembre-se que Ela é a mediadora, a que pode invocar o Logos, seu Divino Esposo — Shiva como dizem na Índia.

Agora na posição sentada no solo (sobre o tapete ou almofada de orações), mas sem apoiar as nádegas no chão. As pernas devem estar estiradas para frente, relaxadas, calcanhares unidos, pontas dos pés afastadas em forma de leque, braços retos e esticados para trás, apoiando o tronco. Portanto, são as mãos quem apoiam o tronco, que deve ser inclinado um pouco para trás, a cabeça mirando para frente. Novamente fazemos a petição, a súplica, a nossa Divina Mãe com muita fé e devoção.

 

SÉTIMO EXERCÍCIO

 

A mesa:

Da posição anterior, é só encolher um pouco as pernas, posicionando as plantas dos pés no chão, e elevar as nádegas a fim de manter o corpo na horizontal, como se fossemos uma mesa apoiado sobre os pés e os braços.

Durante o tempo de realização dessa postura deve-se intensificar as preces e rogos à Mãe Divina, implorando-lhe para que invoque a seu Divino Esposo, O Sacratísssimo Espírito Santo, para que venha e faça a cura que precisarmos.

 

PRANAYAMA

 

Repete-se, aqui, o exercício dos três pranayamas completos, exatamente como descrito anteriormente no QUARTO EXERCÍCIO: de joelhos e voltado para o Oriente, sempre.

 

OITAVO EXERCÍCIO

 

Mayurasana:

mayurasana

Também chamada de posição de lagartixa. Essa postura ajuda a diminuir a barriga. Este exercício divide-se, basicamente, em duas partes. Começa com o corpo apoiado sobre os braços e mãos e nos dedos dos pés, formando uma linha reta entre a cabeça e os calcanhares, sempre olhando para frente. Assim, a partir dessa posição, passamos para o segundo movimento: abaixar a pélvis ou o baixo ventre até tocar o chão, mas sem dobrar os braços e as pernas. Enquanto abaixas a pélvis em direção ao solo deves abaixar a cabeça, colocando-o debaixo do peito o mais que pudermos. Esse movimento de subir e abaixar deve ser repetido várias vezes, lentamente, rogando sempre à Divina Mãe Kundalini.

 

NONO EXERCÍCIO

 

O arco:

A posição do arco humano começa exatamente onde termina a da lagartixa. Sem tirar as mãos de sua posição deve-se dar uns pequenos passos para frente, até o corpo formar um arco, como mostra a ilustração ao lado. Nesta postura, entramos em oração, pedindo a nossa Mãe Divina. Depois de permanecermos um tempo nesta posição, primeiro abaixamos um pouco os joelhos e depois os dobramos e finalmente levantamos. Nesta posição de arco humano o sangue vai para a cabeça irrigando todas as áreas do cérebro.

 

Todos estes exercícios são especiais para acabar com o ventre avultado. São ritos, modos de oração, não são apenas exercícios físicos. É um equilíbrio entre o físico e o espiritual. No Tibet os Lamas, qdno trabalham com estes exercícios, botam no chão um almofadinha ou pequeno tapete, fazendo ali seus exercícios. Não há dificuldade se fizermos os exercícios sem almofada, o importante é fazê-los.

 

VIPARITA KARANY MUDRA

 

Vipatira Karany Mudra;

Deitamos de costas sobre o piso e as pernas levantadas em noventa graus, encostam na parede. Os braços ficam ao lado do corpo, apoiados e relaxados sobre o piso. Esta postura de Viparita Krany Mudra é um exercício especial para fazer um trabalho que só o Terceiro Logos pode realizar dentro de nosso corpo. Acontece que temos no cérebro uma lua que nos torna os seres mais negativos do mundo. Nossos atos são negativos e lunares porque essa lua está em nosso cérebro. Por outro lado, na região do umbigo temos um sol maravilhoso. Essa inversão aconteceu quando saímos do Éden. O Sol caiu para a região do umbigo e a lua ascendeu para a região da cabeça. Conhecendo-se essa situação, e estando nessa posição invertida, devemos rogar intensamente ao Divino Espírito Santo, o Terceiro Logos, Shiva, que nos faça a transposição do sol para a cabeça e a remoção da lua para o baixo ventre. É evidente que a nós cabe a tarefa, constante e permanente, de realizar esse exercício, Viparita Karany Mudra. É durante a realização dessa postura que devemos rogar incessantemente que o Divino Espírito realize essa tarefa em nosso favor, qual seja, a de transplantar o sol para nosso cérebro e de remover a lua para nosso baixo ventre, para a região do nosso umbigo. Insisto em repetir que esse trabalho só o Espírito Santo pode realizar por nós, e essa é, justamente, a posição exata que precisamos para fazer a nossa parte nesse trabalho, combinada, obviamente, com intensos rogos, preces e súplicas. O Viparita Karani Mudra é um verdadeiro ritual para se obter o rejuvenescimento do corpo físico e voltarmos a reconquistar a juventude. Lembrando, o corpo de um Iniciado deve permanecer sempre jovem e vitalizado. Quem almejar rejuvenescer o corpo e curar-se de toda doença, aqui damos a fórmula marilhosa do Viparita Kanay Mudra. Nessa posição devemos pedir ao Terceiro Logos que nos rejuvenesça o Físico, cure tal ou qual doença, troque as células velhas por novas etc.

O máximo de tempo será de três horas. É claro que para chegarmos a esse tempo de três horas precisamos muito tempo, vários anos de constante prática. Porém esses anos de constante sacrifico equivale a retardar o envelhecimento do corpo e até vencer a morte, mediante o trabalho com a MAGIA SEXUAL.

Existe, nesta série de exercício, um Viparita Karany Mudra longo e outro curto. O curto pratica-se toda vez que se faz a série dos seis ritos. O longo pratica-se exlusivamente à noite, só uma vez, antes de deitarmos. Este último não é fácil: trata-se de mantermos as pernas em posição vertical durante três horas. Obviamente, ninguém poderia começar com três horas, ninguém aguentaria tanto.

Depois de seis meses de fazer esta prática, as pernas com certa idade avançada deverão alegrar-se, porque entram num processo magnífico: os cabelos cinzas vão desaparecendo e também as rugas. Através do tempo irão desaparecendo e finalmente chegará o momento que não ficará nem rugas nem cabelos brancos, pois o sangue enriquecido com hormônios irá fortificar o cérebro e enriquecerão todas essas zonas do couro cabeludo a fim que os cabelos branco desapareçam. Um sangue rico transforma o cabelo e os tecidos gastos que formam as rugas, transformando-se com a criação de novas células. Estes exercícios não são para cidadãos de tal ou qual país, não. São para todos os cidadãos gnósticos do mundo.

Observação: deveremos cobrir as pernas, com um lençol no verão e com um cobertor no inverno, durante toda a prática do Viparita Karany Mudra.

adaptado de V.M. SAMAEL AUN WEOR

2 opiniões sobre “Ioga Esotérica

Elisângela Pereira Barbosa

Bom dia, quantas vezes devo repetir as posturas? Eu pratico as que são ensinadas no livro do Peter Kelder, onde se começa com três sequencias até chegar à 21 vezes cada postura.
E neste caso faço apenas uma de cada, Tirando a primeira que são 21 giros?
Desde já obrigada

Resposta
    gnose

    O mais importante no gnosticismo é a postura interior… não há tempo definido, nem repetições… somente nas respirações… mas, siga vigiando a mente, o coração e os desejos… boas práticas… PAZ INVERENCIAL

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.