Menu

11 – A Segunda Montanha

2 de março de 2016 - Fase B

Tema nº. 11  –  A Segunda Montanha. (RESSURREIÇÃO)

b-11

(DO LIVRO ‘A SÍNTESE DAS TRÊS MONTANHAS’ DO V.M.RABOLU:)

“À medida que o Iniciado começa a trabalhar com a fabricação dos Corpos de Ouro, aqueles de Fogo vão morrendo e vão sendo trocados pelos de Ouro.

Na Segunda Montanha o trabalho é muito mais exigente que na Primeira Montanha; não se pode dar um passo que não seja baseado na morte e no nascimento, são os Três Fatores definitivamente. Quem, na Segunda Montanha, não estiver morrendo, não pode seguir adiante e não pode ficar estático, porque sobe ou baixa, e como não está morrendo, tem que baixar. A morte é básica e fundamental para poder ir escalando por esta Segunda Montanha.

Nesta Segunda Montanha não há descanso para o Iniciado, porque a Lei está em cima. Quando alguém quiser sentar-se e descansar, a Lei lhe diz “circule, circule”; ou seja, não se pode ficar parado.

Aí (nesta Segunda Montanha) se inicia o Drama de Jesus, o Cristo. O Drama Cósmico que cada Iniciado deve viver nos mundos internos, passo a passo, porém muito consciente, porque aí não se pode dar um passo sem ter consciência. Passa-se por aquele Drama tão conscientemente, que se crê por instantes que é em carne viva, porque não há um passo dado por Jesus que não deva dar alguém: a dor, a amargura, tudo se sente como se fosse carne viva. Por isso o Mestre Jesus disse: “EU SOU O CAMINHO, EU SOU A VERDADE”, porque ninguém poderá chegar ao Pai se não por meio do Cristo, da Cristificação total.

Na Segunda Montanha é onde se dá ao Luxo de encarnar o Cristo Interno, Individual, o de todos os poderes sobre o Cosmos, sobre a Natureza e sobre tudo. Este menino é de uma figura belíssima, que não se pode explicar verbalmente porque a palavra desfigura. Também o colhe a Lei do 7. Ele nasce como um menino pequeníssimo, de colo, e vai crescendo de acordo com os Três Fatores que o Iniciado realiza, e o Amor, porque o alimento do Cristo é o Amor, porque Ele é Amor. A medida que vai ascendendo o Iniciado, o menino vai crescendo e manifestando-se com mais poder e mais sabedoria. Vai despertando suas faculdades terrivelmente poderosas, onde já tem poder sobre o Cosmos e sobre todas as Criações.

Quando este menino se desenvolve, que se fabrica o Corpo Causal de Ouro, é onde se recebe a autêntica Iniciação Venusta. Aí é onde deve começar a desintegrar o ‘Eu Causa’ totalmente, que não fique nem sombra dos defeitos, para poder ter acesso à Terceira Montanha.

Por isso é que o Iniciado tem que desintegrar o Eu Causa. Sem a desintegração do Eu Causa não poderá jamais pisar às portas do Absoluto, porque pode haver encarnado ao Pai, Filho e Espírito Santo dentro de si, porém esse Pai, Filho e Espírito Santo ante o Absoluto são mecânicos; não se pode penetrar porque o Raio da Criação está dividido em 3 leis, o que não lhe permite entrar no Absoluto.

Por isso se diz que “Deus mesmo deve morrer”, porque ao haver encarnado, esse Iniciado, as 3 forças superiores, Pai, Filho e Espírito Santo, é um Deus, capaz de criar por meio do Verbo; porém como ante o Absoluto são mecânicas, ele deve passar por uma grande morte mística para pode fundir essas leis numa só.”

Até aqui as palavras do V.M. Rabolu.

MORRE

NASCER

SACRIFÍCIO PELA HUMANIDADE

A base do trabalho desta segunda montanha também são os três fatores de revolução da consciência. Eles representam a maneira como se deve trabalhar para eliminar as causas do eu, os Eus-Causa, ou seja, com Morte dos detalhes de instante em instante; nascimento alquímico, com o segundo fator de revolução da consciência, o Nascer e Sacrificando-se pela humanidade. Esse é o “Negue-se a si mesmo; Carregue sua Cruz e siga-me” proferidos por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Uma opinião sobre “11 – A Segunda Montanha

jose e. chaves

Sei em que plano estou agora, também sei o que faço agora

Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.