Menu

23 – Relaxamento e Concentração

1 de março de 2016 - Fase A

Tema nº. 23   –   Relaxamento e Concentração.

 

Essas duas práticas são fundamentais, pois nos conferem as condições necessárias para que as demais práticas que nos levam à comprovação dos fatos deem resultado.

Motivo mais que suficiente para fazermos do RELAXAMENTO e da CONCENTRAÇÃO práticas diárias. Aliás, O RELAXAMENTO e a CONCENTRAÇÃO devem permear toda a vida.

Desta maneira, sem o êxito nestas duas práticas não poderemos seguir adiante.

 

O RELAXAMENTO

 

O relaxamento serve como preparação para qualquer prática que nos propormos a iniciar. O objetivo dela é estabelecer um estado de conforto no corpo, fazendo com que nos desliguemos dele, ou seja, o relaxamento serve para que não precisemos nos preocupar com nosso corpo físico, liberando-nos para a concentração na prática principal, além de proporcionar a fluidez energética pelos nadis.

Lembremos, não obstante, que é a mente quem tensiona o corpo. Lembremos ainda que com a concentração controlamos a mente, fazendo-a se calar. Parece contraditório? Mas, não o é. Concentração e relaxamento são absolutamente compatíveis. A verdadeira concentração está permeada de relaxamento. Quando controlamos a mente a ponto de fazê-la se calar, o relaxamento torna-se fácil.

Antes de tudo, procure uma posição confortável. Entendamos por posição confortável, aquela que nos permita passar bastante tempo sem nos mexermos. Seguem algumas sugestões:

23-1

MORTO

23-2

SENTADO

23-3

ESTRELA

23-4

CRUZ

Não é demasiado relembrar que toda preocupação, lembranças dos acontecimentos do dia, projetos futuros, emoções negativas e principalmente a preocupação com o tempo de prática devem cair por terra durante o relaxamento.

A seguir passaremos algumas sugestões de técnicas de relaxamento.

A técnica básica de relaxamento é nos concentrarmos ordenadamente em todas as partes do corpo, por exemplo, começando pelos dedos do pé e chegando ao topo da cabeça, relaxando parte por parte, ou seja, concentrarmo-nos naquelas regiões e ir soltando os músculos e nervos.

            Outra técnica bastante interessante em todos os sentidos, pois além de nos relaxar serve para desenvolver o chacra cardíaco e nos estimular à perfeita concentração, é a técnica da LUZ AZUL. O procedimento consiste em, a partir da concentração nas profundezas do coração, imaginar (lembre que imaginar é ver) uma luz azul existente ali. Depois ver esta mesma luz preenchendo, sem que ela saia do nosso corpo, as demais partes desde os pés, até que todo ele esteja pleno dessa luz e completamente relaxado. Reiterando, não é para imaginar que a luz sai do coração e depois volta. A luz vai apenas preenchendo todo o nosso interior e sua origem é o coração, ou seja, que o amor vai preenchendo todo nosso corpo.

23-5

A CONCENTRAÇÃO

 

Aprender a relaxar, atingir êxito na auto-observação, assim como na perfeita concentração é o início do trabalho esotérico.

Perfeita concentração é repousar a atenção plena e de forma natural em apenas um assunto, tema ou objeto. Ela, porém, por ser uma faculdade da essência, advém quando eliminamos já muitos defeitos que a impedem de brotar, ou aprendemos a escapar deles.

E, vice e versa, a concentração é muito necessária para capturarmos os defeitos em pleno movimento. Ou seja, a concentração é fundamental, inclusive na auto-observação. Toda faculdade da essência exige esforço para ser adquirida. Desta maneira, precisamos nos esforçar urgentemente para atingir a perfeita concentração. Como sempre dizemos: a vontade canalizada é capaz de muitos milagres. Assim, a consciência deve empunhar a vontade. “Querer é poder”.

Devemos fazer todas as coisas do dia de maneira concentrada. Assim, não é aconselhável fazer duas coisas ao mesmo tempo, pois isso dificulta, e muito, a auto-observação, favorecendo grandemente a identificação com as coisas do dia-a-dia. A serenidade, a paciência e o silêncio interior são próprios da perfeita concentração. Deste modo, devemos cultivar esses aspectos para atingir o êxito total na vivência da perfeita concentração. Isso deve ser um fato para todo estudante gnóstico.

Temos que elucidar um ponto muito importante. A morte do eu psicológico e a concentração nas coisas da vida diária são trabalhos distintos, porém que unidos fazem com que a consciência desperte. É necessário fazer um certo esforço para se voltar a observação para o que se está passando no nosso interior. Contraditoriamente para nos sentirmos aqui e agora, conscientes do que estejamos fazendo e em que lugar estamos é necessário muito silêncio interior e coração tranquilo. Existe um perfeito ponto de equilíbrio entre a tensão e o relaxamento, que traz o silêncio interior.

A repetição de certos ensinamentos nunca é demais, deste modo reinteramos que a “mente para ser calada tem que ser domada”. Ela é um instrumento fantástico quando bem utilizada. Ela consegue captar de maneira rápida e intuitiva a verdade das coisas. Os frutos de ouro da mente são a compreensão e a imaginação. Impossível criar qualquer coisa sem o poder da imaginação. A imaginação verdadeira, por ser também uma faculdade da mente, exige esforço para ser atingida e dominada. Compreender é um ato silencioso, porém efetivo.

Contrariamente, o batalhar das antíteses, próprio das mentes teóricas, acaba com ela.

A verdade deve ser vivenciada com a mente calada, desta maneira ela consegue captar os fatos de maneira real e não fantasiosa. A compreensão é algo instantâneo, não necessita de qualquer teoria prévia.

Imaginar e Compreender em última instância são, respectivamente clarividência e intuição. A imaginação verdadeira não tem relação nenhuma com memória, raciocínio, etc. Imaginar é ver. A compreensão das coisas será perfeita quando a alma for perfeita. O Ser compreende tudo. Quando estivermos conectados com o Ser compreenderemos tudo tal qual é a Realidade.

A seguir passaremos uma técnica de concentração que serve tanto para desenvolver a concentração, quanto para se desenvolver o chacra cardíaco. Consiste em concentrarmo-nos em nosso coração como órgão físico: deitado de maneira confortável o neófito relaxa seu corpo físico, conforme explicamos linhas acima, e segue adentrando o coração, até atingir o átomo. Para isso se utilizará da concentração e da imaginação unidas em vibrante harmonia. Tudo o realizará de maneira muito natural, muito tranqüila, mas com precisão e determinação. Devemos fazer com que a consciência empunhe suas faculdades, seus sentidos, sua mente e seus sentimentos, com o intuito de atingir seu objetivo, que no nosso caso é ter apenas um foco de atenção, o coração. Vamos, desta maneira, vendo os tecidos do coração; suas cavidades. Ouvir suas batidas. Analisar o fluxo de sangue… seguir, até o átomo…

Boa prática.

 

RECAPTULANDO:

 

– o relaxamento e a concentram são práticas básicas;

– devemos praticar todos os dias até vivenciarmos o perfeito relaxamento e a perfeita concentração;

– prática do relaxamento: luz azul, pluma, ponto a ponto;

– prática da concentração: no coração;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.