Menu

28 – O Mundo das Relações

28 de fevereiro de 2016 - Fase A

Tema nº. 28 – O Mundo das Relações.

Basicamente estamos relacionados CONOSCO MESMOS; COM O MUNDO EXTERIOR e COM O CORPO FÍSICO.

28-1

RELACÃO COM O CORPO FÍSICO

 

Cuidar do copo físico é fundamental.

O veículo físico nos é útil e se mal cuidado pode trazer consequências desagradáveis. Assim, asseá-lo, nutri-lo com sabedoria, exercitá-lo na medida certa, tudo isso é fundamental. Porém, a sabedoria gnóstica nos ensina algo um pouco mais além…

A principal causa das doenças, não obstante, é a atuação dos egos.

Eles fazem com que a máquina humana de desequilibre, o que acaba por gerar enfermidades no corpo vital e consequentemente no físico.

A ira, por exemplo, causa a cegueira, problemas no fígado e no pâncreas etc. A gula causa obesidade, problemas cardíacos, desvios de coluna, etc. A vaidade nos consome muita energia sexual desnecessariamente o que debilita toda a máquina deixando-a suscetível a qualquer tipo de doenças. Outro exemplo da vaidade nos causando problemas físicos, pode ser descrito assim: com o intuito de termos um corpo ‘malhado’ exageramos na prática de exercícios físicos o que pode esgotar nossas energias sexuais; daí quando necessitarmos dela para transmutar, não a teremos, além de poder causar uma precoce impotência sexual, ocasião em que muitos recorrem aos terríveis métodos da infrasexualidade para se recuperar. A preguiça, por sua vez, não deixa que a vontade atue e pode trazer problemas de depressão, entre outras coisas. O orgulho, problemas no estomago e coração. A luxúria, impotência. Etc. Etc. Etc.

O remédio para tudo isso é o trabalho intenso com os três fatores de revolução da consciência.

A auto-observação seguida de morte em marcha faz com que os defeitos causadores de desequilíbrios, deixem de atuar. Deixando de atuar os defeitos psicológicos e não havendo o desequilíbrio energético por eles causado, a consequência natural é a saúde física.

A transmutação diária das energias sexuais faz com que o corpo físico se regenere, além de promover o equilíbrio endócrino. Isso se dá com a perfeita harmonização do sistema simpático\para-simpático. O perfeito equilíbrio do ativo com o passivo dentro de nós, faz com que os hormônios sejam lançados no sangue na medida exata. Além de nos encher de vibrante energia imaginativa, volitiva. Luz espiritual e anímica, enfim.

O sacrifício pela humanidade torna nosso corpo vital mais luminoso, isso faz com que o mal, com suas larvas astrais, tenham dificuldade em penetrarmos.

O amor… ah, o amor a tudo transforma!

Porém, isso não quer dizer que os discípulos nunca mais tenham doenças. Bem sabemos que há as doenças causadas por karma, por exemplo, bem como as de causas naturais. Não nos aprofundaremos nestes detalhes e seguiremos com questões próprias deste tema. Essa abordagem é muito bem feita no livro ‘Tratado de Medicina Oculta’ do V.M. Samael Aun Weor. Porém, neófitos, tomem muito cuidado ao lerem este livro, pois partes dele foram adulterados propositadamente pelos inimigos da Luz, sobretudo algumas fórmulas e nomes de ervas.

 

RELAÇÃO COM O MUNDO EXTERIOR

 

O estandarte do sábio é: ser Senhor de si mesmo; não ser vítima das circunstâncias.

Apenas aqueles que vivem inconscientemente são vítimas das circunstâncias.

É no convívio com nossos semelhantes que emergem nossos ’eus’ mais terríveis.

Aqueles que pensam que é mais fácil se isolar para conseguir evoluir espiritualmente estão redondamente enganados. Porém, isso não quer dizer que não nos vamos distinguindo da ’boiada’ à medida em que a consciência e o trabalho sobre o nosso mundo interior vão se ampliando.

Ocorre naturalmente que o sábio vá se distanciando da humanidade para servi-la.

A característica fundamental do ego é que ele normalmente é inconsciente, surgindo espontaneamente em nosso interior em forma de reação mecânica a uma determinada circunstância exterior. Assim, no trato cotidiano com nossos semelhantes esses eus tendem a sublevarem-se de maneira constante, de instante em instante, reacionando a toda e qualquer impressão recebida pelos cinco sentidos. Portanto: Vigia; Vigia; Vigia.

Para que não nos identifiquemos com as reações errôneas das outras pessoas para conosco, é necessário nos colocarmos no lugar delas. E refletir com serenidade, conscientemente. As pessoas são diferentes, devidos às suas psiques. Nós, por nosso lado, não somos donos da verdade e ainda que não tenhamos erradicado cem por cento dos nossos defeitos, somos todos habitados por milhões e milhões de eus.

Mesmo se estivermos certos de que nós estamos no justo, no sábio, no correto não devemos intentar impor nosso ponto de vista sobre os demais, pois as pessoas não vão conseguir compreender, a menos que o entendimento delas esteja maduro; e isso não ocorre de maneira imediata, e talvez nunca ocorra de fato.

Não julgueis para não serdes julgados.

Tratemos aos demais, assim como nós gostaríamos de sermos tratados.

Amemos aos nossos semelhantes como a nós mesmos.

Esses postulados Crísticos Divinos devem ser vivenciados a fundo na alma e no coração do gnóstico e cujas vivências nos acercará mais e mais Dele. Eles servem de per si para a transformação das impressões, mas devem se fazerem seguir pela petição firme, para que nossa Divina Mãe Kundalini elimine de nossas psique o eu que se manifestou em relação à diferença quanto ao nosso próximo, seja este eu um eu de superioridade, seja de ira, seja qual for.

A má relação conosco mesmos, ou seja, a ausência de trabalho psicológico interior, ou mesmo a deficiência no nosso trabalho sobre nós mesmos leva-nos a uma má relação com o mundo exterior. Como devemos notar, isso se dá em virtude da atuação de nossos ‘egos’.

Em situação adversar é nos necessário COLABORAR COM O INEVITÁVEL. Isso quer dizer que devemos não nos preocupar com os problemas do mundo, da vida, de saúde, etc. Porém, em esoterismo isso não quer dizer que devemos ser negligentes. Leiam e compreendam o tema: ‘A Lei do Pendulo’.

Quando ‘ruminamos’ problemas; quando não colaboramos com o inevitável, somos exauridos de nossas energias psíquicas e até sexuais. Quando não colaboramos com o inevitável nos tornamos rancorosos, odiosos, rabugentos, alheios… Leia-se o tema: ‘Tagarelice Interior e Canção Psicológica’.

Em última instância colaborar conosco mesmos quer dizer: não nos identificarmos.

Se não nos identificarmos seja com nossos egos, seja com o mundo exterior; e nos mantermos vigilantes em sentinela absoluta para ver se assoma algum elemento psíquico indesejável dentro de nós mesmos, daí, consequentemente, estaremos a ponto de uma verdadeira mudança na qualidade de nossa relação como pessoas. Além do mais, estaremos a ponto de subirmos para um nível de ser mais alto. Porém, em esoterismo tudo é muito estreito, e é por isso que os intelectuais caem logo, o acima mencionado não quer dizer que nos devemos orgulhar: o ego morre; a alma se eleva!

Existe mais um postulado maravilhoso que nos pode ajudar na busca do sábio viver. É ele: DEVEMOS RECEBER COM AGRADO AS MANIFESTAÇÕES DESAGRADÁVEIS DE NOSSOS SEMELHANTES. Perdoar para sermos perdoados, nas palavras do Cristo.

 

RELAÇAO CONSIGO MESMO

 

Essa é das três formas de relações a que o ser humano está submetido, a que menos damos valor e, no entanto, é a mais importante das relações que nos concerne.

Como vimos, a má relação conosco mesmos é que nos impede de nos relacionarmos bem tanto com o corpo físico, como com os demais.

Relacionarmos bem conosco mesmos não quer dizer nos relacionarmos com nossos egos, fazer suas vontades.

Muito pelo contrário, nos relacionarmos conosco mesmos, quer dizer nos relacionarmos com nosso real Ser Íntimo.

Orar, é fundamental em todo o trabalho. Louvando-o, pois tudo é dádiva de Deus; pedindo: “pedis e se vos dará”.

Despertar a INTUIÇÃO É FUNDAMENTAL.

Aqui vamos entregar, mais uma vez uma das práticas, ainda que subjetiva, mas que nos pode ser muito útil, para despertar o chacra coronário, cujo poder por ele liberado é precisamente o da Intuição.

Deitados ou sentados confortavelmente concentramo-nos nas profundezas do nosso coração tranqüilo, em estado de auto-observação, sempre é claro e mantralizando a vogal ‘OOOOOOO’ (alongadamente assim), vendo uma bela flor de lótus de luz girando graciosamente no sentido horário, caso estivéssemos vendo o sujeito de frente. Mantralizai todos os dias e sentireis o cárdias vibrar deliciosamente e colhereis seus resultados.

A meditação é uma das práticas fundamentais para o avanço espiritual e fantástica em todos os sentidos.

Com ela, entre outros benefícios dos quais já temos falado, nos é possível o domínio de toda nossa máquina humana. Sem o conhecimento, domínio e controle de todas as nossas capacidades internas, seja a mente, seja a observação dos sentidos, seja a vontade, seja a imginação, seja as emoções é impossível avançar. E assim sendo, ela também é uma das práticas mais indicadas para passarmos a nos relacionar corretamente conosco mesmos.

Ao conseguirmos o êxito na Meditação vivenciamos um momento de perfeição.

Porém, somente chegar à vivenciar um segundo de perfeição para o gnóstico ainda é pouco. O caminho direto, o caminho secreto, o Caminho das Iniciações, o difícil caminho do fio da navalha ensinado pela gnose, não obstante, ensina a pessoa a realizar a perfeição nela mesma. Isso se chama auto-realização íntima do Ser. Nós almejamos e ensinamos como as pessoas podem se auto-liberar. Para isso é necessário eliminar o ego até a raiz, renascermos em Deus e nos sacrificarmos pela humanidade de maneira desinteressada.

Cada vez que um eu atua, ele desequilibra a máquina humana desde o mundo astral, acabando por gerar doenças, e não para por aí. O fato de o deixarmos atuar livremente faz com que ele tome força pra atuar de novo em situações semelhantes. E assim por diante, repetidamente.

Os próprios projetos do dia-a-dia, ou de vida, nos acabam por alterar o estado interior, gerando dispêndio de energia e desequilíbrios, quando fora de hora de lugar e filhos de algum eu ou desejo. Devemos organizar muito bem nossa vida e refletirmos de maneira organizada e consciente, na hora e no lugar certo.

Uma relação correta para com Deus, nos exige pureza interior profunda.

Para isso temos ensinado a auto-observação e a morte em marcha. Ou melhor os três fatores de revolução da consciência fazem-nos evoluir de maneira harmoniosa, juntamente com os esforços para despertar consciência pra que não haja desequilíbrios.

Na relação conosco mesmos necessitamos de mais iluminação interior.

Nós somos como que um aposento, que embora tenha a luz acesa é completamente preenchido por balões negros. A medida que formos estourando os balões a luz será capaz de penetrar e iluminar o aposento, tornando-o visível.

Algumas pessoas intentam mudar, mas não sabem como. Procuram fazer de seus comportamentos algo distinto. Querer mudar é bom. Porém, é fundamental que saibamos como mudar. Passar um defeito para outro lugar, ou lançar mais egos em cima do ego que nos incomoda gera problemas futuros. As pessoas podem, agindo assim, até mudar aparentemente. No entanto, o defeito causador dos comportamentos indesejáveis apenas muda de um setor para outro em nossa mente, esperando o momento para retornar a atuar ou até mesmo se tornando verdadeiros ‘eu’ tentador.

O revolucionário, o sábio, elimina a origem do problema e se torna melhor não apenas mentalmente, mas de verdade, fatidicamente. Morreis em si mesmos e vereis os resultados. Amais mais a Deus do que ao próprio ego e vereis os resultados.

Em geral as pessoas somente se preocupam em melhorar de vida economicamente, ou mesmo fisicamente e intelectualmente (acumulando mais e mais informações não comprovadas). Disse o Cristo para que reflitamos: “…por que vocês se preocupam com o dia de amanhã, ou com suas vestes, ou com o que vão comer ou ser vestir. Deus os alimentará. Deixai com que o amanhã se preocupe com a amanhã.”

A essência do trabalho é vivermos de fato num eterno aqui e agora, com a mente calada e o coração tranquilo.

 

RECAPITULANDO:

 

– relação conosco mesmos; relação com os demais; relação com o corpo e mundo físico;

– hoje damos mais importância à relações exteriores do que a relação interior;

– na relação com nosso corpo físico, os egos são a maior causa de doenças;

– na relação com os demais os egos são a maior causa de falta de amor e compreensão pelo próximo;

– quando iniciamos um trabalho sério sobre nós mesmos, passamos a dar muito mais valor à relação conosco mesmo, com nossas partes internas, do que com a exterior;

– para melhorarmos nossas relação conosco mesmo, a qual fará melhorar nossa relação com os outros e com o corpo e mundo físico, é necessário trabalhar intensamente com os TRÊS FATORES DE REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCI: MORRER, NASCER E SACRIFÍCIO PELA HUMANIDADE; BEM COMO COM A MEDITAÇÃO.

– na relação com os demais é interessante dar atenção a certos postulados transcendentes: Não julgueis para não serdes julgados;

Tratemos aos demais, assim como nós gostaríamos de sermos tratados;

Amemos aos nossos semelhantes como a nós mesmos;

Ver as coisas sob a perspectiva alheia (nos colocar no lugar da outra pessoa);

Devemos receber com agrado as manifestações desagradáveis de nossos semelhantes;

Em situação adversar é necessário COLABORAR COM O INEVITÁVEL (não nos preocuparmos com problemas: pois se eles têm solução, solucionemo-los; se não têm, nada faremos a não ser nos manter despreocupados nas duas situações).

2 opiniões sobre “28 – O Mundo das Relações

andrea roza do nascimento

gostei muito do texto, muito esclarecedor

Resposta
Antonio Carlos Arantes

Simples , divino e profundo.

Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.