Menu

44 – As Duas Classes de Conhecimento: Objetivo e Subjetivo.

30 de janeiro de 2016 - Fase A

Tema nº. 44  –   As Duas Classes de Conhecimento: Subjetivo e Objetivo.

quaternario

O conhecimento subjetivo é aquele que provém dos egos: “A um processo psicológico qualquer, corretamente estruturado mediante uma lógica exata, opõe-se outro diferente, rigidamente formado com lógica similar ou superior; então o quê?” (Samael Aun Weor)

O ego ao se utilizar da mente pode produzir todo tipo de teorias. E, obviamente, não é possível àqueles que buscam a VERDADE aceitarem o chavão que diz: cada um tem a sua verdade.

O ego tende a endeusar os processos raciocinativos da mente.

A mente crê firmemente que é a detentora da verdade. Quando na verdade ela é o problema para se atingir a VERDADE.

A mente bloqueia a passagem da luz do conhecimento direto e cria um ponto de vista alterado, normalmente aplicável a um contexto específico, um encadeamento de idéias que partem de um ponto equivocado, ou simplesmente baseado no temerário processo da escolha. O homem moderno crê-se Deus, quando na verdade nem sequer sabe que não sabe. O homem moderno vive num estado lastimável de FASCINAÇÃO INTELECTIVA. Em termos mitológicos, diremos que o homem moderno vive o mesmo estado interior daqueles Titãs que tentaram assaltar os céus.

Se não dá para confiar no racionalismo como forma de alcançar a verdade; tampouco, como bem sabemos, não dá em absoluto para confiar na verossimilhança como parte do lastimável processo de escolha, no intuito de descobrir a verdade dos fenômenos e dos desígnios de Deus, então em que crer? Perguntará o homem comum e corrente.

A VERDADE é o que é.

A verdade não depende do raciocínio para existir. É um erro tremendo ao homem querem compreender Deus e seus fenômenos com a mente raciocinativa. Os fenômenos são o que são.

Os ovos de ouro da mente são a imaginação criadora e a compreensão.

Imaginar para o sábio é ver a Verdade. A isso chamamos Clarividência. O sábio vê a Verdade.

Por sua vez, a compreensão é algo do próprio Criador, ou seja, simplesmente vem até nós. Ela cresce, conforme nos achegamos do Íntimo. Deus é o que é. Somente aquele que chegou até Deus pode compreendê-lo e com isso compreender o Universo. A Consciência é a guia da compreensão neste processo de chegar à Verdade. A Consciência penetra na coisa; a Compreensão capta a verdade sobre a coisa. Somente um sábio unido com Deus será capaz de apreciar Seus fenômenos da maneira como eles são, de forma direta e real. É imprescindível que aprendamos a calar a mente, para que ela possa Ver e Compreender a Verdade, vivenciando-a.

Em termos ‘apocalípticos’ diremos que o ANTICRISTO nada mais é do que a mente sendo utilizada pelos egos.

Os intelectuais subjetivos fazem jorrar seus conceitos, na melhor das hipóteses incompletos, baseando suas observações em outros conceitos, somando-lhes suas observações feitas com os cinco sentidos.

Eles, deste modo intentam chegar aos céus com a mente e os sentidos do corpo físico… e sem o perceberem passam a ver o mundo de acordo com suas teorias, que por sua vez são frutos dos egos, limitando suas consciências com isso. Mas, desta maneira é impossível chegar até a Verdade, pois a mente é inteiramente incapaz de adentrar aos céus, uma vez que ela por si só torna impossível a passagem. Por isso se disse linhas acima que os conceitos baseados na mente e nos cinco sentidos são na melhor das hipóteses incompletos, pois não levam em conta a realidade de uma manifestação incluindo o que se passa nas dimensões superires a esta nossa terceira dimensão; algumas delas superiores a da mente. O homem sequer leva em conta os fenômenos da quarta dimensão em suas tecnologias e teorias, imagine os da quinta, sexta e sétimas dimensões, sequer são capazes de comprovar suas existências.

Quando na realidade o céu somente pode ser assaltado pelo silêncio interior absoluto… Ainda que pareça contraditório, a alma livre dos egos tem sua sede no coração tranqüilo.

A consciência não precisa raciocinar, ela vê a verdade. Deus não tem dúvidas; não precisa seguir a teoria mais aceita; Deus não confunde o mundo físico com o mundo da eternidade; Deus não tem que fazer escolha sobre este ou aquele conceito… ELE é a VERDADE. ELE vivencia a VERDADE.

A VERDADE está muito mais além da mente, dos afetos e do corpo físico.

Somente a alma é capaz de se achegar a Deus, carregando os frutos da compreensão e da visão, que são atributos do próprio Deus.

Não estamos aqui a falar mal da mente.

Ela é um instrumento útil, mas em seu devido lugar. Ela nos confere a compreensão, a imaginação, a memória. A própria lógica é útil para resolver questões práticas do dia a dia. Também sabemos que muitos dos conhecimentos dos cientistas do mundo físico, podem, e devem, ser aplicados no próprio mundo físico. Quero me referir á inúmeros procederes de ordem prática que nos podem fazer não beber veneno, por exemplo, entre outras coisas. Porém, isso não quer dizer que o fenômeno em si foi compreendido pelos cientistas, por que eles, como disse acima, apenas podem observar em partes (pois limitam-se aos aparelhos) aquilo que acontece no mundo físico. A verdade de cada fenômeno está muito mais além do mundo físico. Bem sabem os estudiosos que um fenômeno físico jamais bate exatamente com as teorias propostas. Os fenômenos se inter-relacionam, interferem um no outro, etc.

Assim, diremos que o acumulo de informações pode nos ser útil aqui no mundo físico. A isso dá-se o nome de cultura. Mas não nos devemos limitar a elas, pois elas não são a VERDADE.  Precisamos ser sinceros aqui e compreender que muitas das informações acumuladas pela nossa memória física, simplesmente não são verdadeiras. Vemos um sem fim de teorias e experiências absolutamente opostas umas às outras e ambas baseadas em racionalismos precisos. Se deixarmos nossa mente ali a analisar a verdade a partir destes opostos, ficaríamos insanos rapidamente. Esse é o velho Batalhar das Antíteses de Victor Hugo.

A tagarelice interior é próprio ego pensando.

Não obstante, a obtenção de cultura não deve ser olvidada e deve crescer em harmonia com o Despertar da Consciência. Imaginem vocês um anjo estúpido… Imaginem, em contrapartida, um erudito que nada comprovou… Em ambos os casos o desequilibrado pode se confundir e causar confusão.

A mente é um calabouço para o sábio. Mas, a mente, se sabiamente desenvolvida pode ser um instrumento transcendente. Ela é sim o primeiro dos poderes do homem, mas somente se for a alma quem a utilizar e não os egos. Os egos imaginam fantasias das mais diversas e fazem aquilo que lhes dá na gana. A mente dos despertos vê, através da clarividência, a verdade dos fatos e, através da intuição, sabe fazer a Vontade do Pai. A mente dos intelectuais imagina fantasiosamente, por exemplo, que o processo histórico deste ou daquele povo foi de determinada forma, quando, em contrapartida, a mente daqueles que eliminaram seus egos adentra os mundos sutis e ali investiga de maneira direta, nos registros akáshicos da natureza, aquilo de fato aconteceu e por que aconteceu. A mente dos iluminados passa a fazer parte da consciência cósmica, a consciência que a tudo vê.

 

Assim, o CONHECIMENTO OBJETIVO é aquele que provém da verdade. Ele advém àqueles que eliminaram o ego.

A mente do sábio deve arrojar sua coroa aos pés do Cordeiro. Ou seja, a mente deve seguir a sabedoria que vem do CORAÇÃO TRANQUILO, nunca jamais de outra parte. A mente interior começa a ser compreendida quando passamos o centro de gravidade da personalidade para a consciência. Esse é um processo de crescente INTERIORIZAÇÃO.

O primeiro sentido, propriamente da alma, que desenvolvemos é o da AUTO-OBSERVAÇÃO. Depois, e, gradativamente, vão se desenvolvendo os demais, como por exemplo, a clarividência, a clariaudiência, a intuição, etc. à medida que formos eliminando eus, conjuntamente com o trabalho do Nascer e o do Sacrifício pela Humanidade. Esses são os sentidos do Ser, os quais trazem para a mente o conhecimento direto da Verdade.

Morre o homem, nasce o Ser.

É neste contexto que surge a mente objetiva do Ser. A mente objetiva do Ser é capaz de prodígios. Ela impera sobre a natureza e o cosmos. Ele vê à distância. Ela cria incessantemente. Ela é imortal. Ela é capaz de falar em todas as línguas do cosmos. Etc. Etc. Etc.

Como já dissemos, a mente deve deixar-se subjugar pelo coração tranquilo, pela Consciência. Essa é a divisa: CONSCIÊNCIA NA FRENTE DA MENTE.

A mente deve se transformar num instrumento passivo à disposição da consciência, cuja sede é o coração tranquilo. Hoje em dia ante qualquer impressão recebida pela mente, primeiramente pensamos, pois temos dentro de nós um sem fim de prejulgamentos: “Não julgueis para não seres julgado.“ O sábio, contrariamente, primeiro percebe as coisas com a alma e vê a verdade com os olhos da consciência desperta, o OLHO DE DAGMA, o olho de diamante, o olho de Hórus. E segue penetrando o objeto, munido da compreensão instantânea e não fascinativa. A verdade chega até ele através da Intuição que é uma das qualidades do Coração, quando se associa à mente.

44

Peço desculpas aos leitores pela extensão e complicação do texto apresentado. Porém, à medida que forem praticando, as duas classes de conhecimento (subjetivo e objetivo) ficarão visíveis dentro de vocês mesmos. Instantes que compreenderão a aflição deste redator, tendo que descrever coisas estritamente interiores em palavras.

Os três fatores de revolução da consciência nos levarão a vivenciar de forma direta todo este processo de passagem do conhecimento subjetivo para o conhecimento objetivo.

A MEDITAÇÃO TRANSCENDENTAL nos ajuda a comprovar como é viver com os olhos da alma abertos. Neste contexto o coração tranqüilo passa a fazer parte de todos os processos do Ser. A meditação ajudará inclusive a que pratiquemos os três fatores de revolução da consciência de forma correta. A meditação é uma prática fundamental que deve ser praticada todos os dias. Já passamos todas as chaves para se obter sucesso nesta prática. Falta somente a realização dela e isso somente dependerá de cada um de vocês.

É hora de intensificarmos nossas práticas para obtermos êxito.

No trabalho sobre nós mesmos devemos bolar estratégias, disciplinas, cada vez mais apertadas, mas em perfeita harmonia com nossa evolução interior e lutarmos bravamente para não retrocedermos. “O TORO O AGARRAMOS PELOS CHIFRES”. Ou seja, o ego deve ser enfrentado de frente. Boas práticas…

Para finalizar, acabarei mencionando uma frase que muito ouvia no meu tempo de curso, a qual é fantasticamente verídica e adequada a este tema: “ Toda teoria é cinza e somente é verde a árvore de dourados frutos que é a VIDA”… (Goethe)

 

 

RECAPITULANDO:

 

– conhecimento subjetivo é filho do ego;

– conhecimento objetivo é filho de Deus;

– a mente é um calabouço para o sábio;

– a verdade transcorre de instante em instante. A consciência é a única capaz de observá-la tal qual ela é;

– os frutos de ouro da mente são Visão (imaginação criadora) e Compreensão;

– cuida-vos do Batalhar das Antíteses em suas mentes;

– a mente é capaz de criar qualquer tipo de teoria,boa ou má;

– meditai e aprendeis a colocar vossa mente no lugar certo: meditação é a disciplina da mente;

– para se desenvolver a consciência urge realizarmos em nós mesmos os TRÊS FATORES DE REVOLUÇÃO DA CONSCIÊCIA;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.